Violão para crianças: dicas sobre qual comprar

AVISO:  o autor não se compromete com compras realizadas com base neste post! A ideia aqui é auxiliar quem não sabe por onde começar ao comprar um violão infantil, mas a decisão final sobre uma eventual compra é de sua inteira responsabilidade.

violao_crianca

“Qual violão comprar para crianças?” Meus caros, essa pergunta me atormentou por alguns anos, mas aparentemente encontrei duas soluções razoáveis.

O problema ao escolher violões infantis sempre foi a baixíssima qualidade dos instrumentos disponíveis no mercado. Muitos vinham mal regulados, até mesmo com o braço já empenado, com oitavas desafinadas (o que torna impossível manter a afinação ao longo da escala) ou com péssimo acabamento – já vi um com trastes mal lixados, o que pode inclusive ferir a mão de uma criança. Enfim, a solução sempre era escolher o “menos pior” e torcer para o tempo passar depressa, para então o aluno ter condições de tocar num violão tradicional, tendo, assim, acesso a instrumentos de qualidade.

Na última semana, fui atrás de um violão para uma priminha de 4 anos e decidi dar uma pesquisada no que havia de opções atualmente. Nessa busca, encontrei três modelos interessantes, que combinam boa qualidade (bem regulados, bem afinados e com bom acabamento) e um preço razoável. Não considero o preço que paguei excepcional, mas, como as opções mais baratas eram instrumentos horrorosos, o custo benefício acabou compensando.

Os modelos são Rozini Baby Di Giorgio Piccolo (comentarei também sobre o Shelby a seguir). Acabei optando pelo Rozini, pois os exemplares que testei na loja eram ligeiramente superiores aos da Di Giorgio e estavam com um preço melhor. Mas isso não quer dizer que o Rozini Baby será sempre superior. É comum que a qualidade dos exemplares de um mesmo modelo variem bastante, então é sempre bom você fazer a comparação pessoalmente. Caso você não saiba avaliar um violão ainda, leve alguém que o saiba para evitar arrependimentos futuros.
Existe ainda o violão infantil da marca Shelby, da qual nunca tinha ouvido falar, e que era razoável. Um pouco mais baratos que os dois citados acima, mas ainda assim um violão bem regulado e afinado, apesar de ter um acabamento mais com cara de “violão de brinquedo” que os outros. Aí é questão de gosto!

Aqui em São Paulo, na Rua Teodoro Sampaio, foi difícil encontrar esses violões nas lojas. Como esta rua é um dos principais pontos de concentração de lojas de instrumentos musicais do país, dá para imaginar que será complicado encontrá-los por aí, mas eu afirmo que a busca será recompensada – criança nenhuma merece tocar nos violões de outras marcas que eu vi por lá, todos horrorosos. Menção especial ao violão da série Tagima Kids: absolutamente horrorosos. Completamente desafinados. Uma pena que a Tagima, empresa que fabrica guitarras muito legais, tenha tamanho descuido com a própria marca, ao colocar no mercado um instrumento de tão baixa qualidade. Lamentável!

Ah! E o preço? No Rozini Baby paguei R$ 450,00 à vista (compra feita em novembro/2015). Foi barato? Honestamente, há violões para crianças a partir de R$ 100,00. A diferença é que todos os mais baratos eram péssimos instrumentos (exceção feita ao Shelby), logo, no fim das contas saiu por um bom custo/benefício.
Em outra loja da mesma rua, o Di Giorgio Piccolo estava saindo por mais de R$ 500,00, mas era, também, um bom violão. O Shelby infantil estava por volta de R$360,00. Talvez este seja a melhor opção para quem está com a grana curta.

Algumas observações, antes de encerrar:

  • na internet você acha os mesmos modelos por preços mais baixos, mas eu não recomendo comprar instrumentos musicais pela internet, sem experimentar o exemplar que você irá levar para casa! Como dito acima, instrumentos de fábrica oscilam muito em qualidade, ainda que dentro do mesmo modelo, então é bom testar pessoalmente.
  • não tenho nenhum vínculo com as marcas citadas, estou comentando sobre os violões acima por julgar que atendem aos objetivos a que se propõem. Também não tenho nada contra a Tagima, que faz ótimas guitarras; apenas acho um tiro no pé uma marca já consolidada no mercado oferecer um produto tão ruim como os da linha Kids.
    O wordpress, que abriga este blog, publica propagandas em algumas páginas, mas eu não tenho controle sobre quais anúncios aparecem, e nem recebo nada por isso. Se você vir algum anúncio de violões aqui no blog, saiba que eu não endosso nenhum deles a priori. É apenas uma concessão que devo fazer ao wordpress por usar o espaço “gratuito” deste blog.
  • é muito provável que algum luthier faça, artesanalmente, violões infantis de qualidade superior aos dois que citei aqui. Contudo, é provável que o preço fique bem acima também, além de envolver, geralmente, tempo de espera após a encomenda. A sugestão aqui é para quem não conhece nada do mercado e procura uma solução simples e rápida. Se você tem uma indicação diferente, coloque nos comentários ou me mande por e-mail.
  • não é raro que as fábricas de instrumentos mudem o nome dos modelos, então verifique se os que sugeri aqui ainda existem, ou se as marcas alteraram a nomenclatura.
  • obviamente, não me comprometo com exemplares ruins colocados no mercado. Esse post é apenas uma ajuda, uma sugestão para que as pessoas tenham um ponto de partida e de referência ao comprar violões infantis. REPETINDO: caso você siga as sugestões acima, você o fez por sua conta e risco!


Comments

Violão para crianças: dicas sobre qual comprar — 4 Comments

  1. Excelente artigo. Quando fui comprar um tamanho 1/2 para minha filha dei a sorte de achar um da Yamaha perdido por lá. Mas gostei bastante do Di Giorgio Piccolo. Escutei falar que o Michel é bom. Você chegou a testar algum? Abraços.

    • Grande Silvião! Lembro que um aluno tinha um desses Michael. Com uma regulagem para baixar as cordas ficou bem legal para iniciar os estudos, mas o som era muito inferior ao do Di Giorgio.
      Lá na escola Suzuki vocês costumam usar qual? Abraço!

    • Bene, obrigado pela visita. Violões de luthier existem em várias faixas de preço, então esse é um fator importante a se considerar.
      O meu violão principal é de um dos principais construtores de violões clássicos do país, o Claudio Arone, de Jundiaí. Você pode encontrá-lo facilmente no Facebook.
      Contudo, se você não puder pagar o valor dos violões top, sugiro os modelos “TS” dos Irmãos Carvalho. Tenho um de cedro, modelo TS4, e estou satisfeitíssimo com ele. É talvez o melhor custo benefício do mercado.
      Aqui o site: http://www.irmaoscarvalho.com.br/

      Abração

Leave a Reply

Your email address will not be published.