Qual a diferença entre violão clássico/erudito e popular?

Yoda-Vader

Uma das dúvidas mais comuns entre os alunos de violão diz respeito às diferenças entre o violão clássico/erudito e o popular. É também uma das dúvidas que mais gera respostas insatisfatórias que, ao invés de esclarecer, acabam por gerar mais confusão.
Para piorar, essa dúvida ocorre com o violão mais do que com outros instrumentos, pois ele é o que melhor transita entre os dois gêneros de música, tanto popular (tocando rock’n’roll, pop music, samba e afins) quanto clássica.

Na verdade, o que determina se o músico é um violonista clássico ou popular é o repertório (quais as músicas) que ele toca (existem músicos que tocam os dois tipo de música ao violão – logo, podem ser considerados violonistas popular E clássicos, ao mesmo tempo). Ou seja, para entender a diferença entre violão clássico e popular é preciso entender primeiro a diferença entre MÚSICA clássica e MÚSICA popular e como o violão se “encaixa” em cada um desses gêneros.
Antes de passar às diferenças práticas, é preciso deixar claro que em muitos momentos é quase impossível diferenciar se a música é clássica ou popular, e essa é uma discussão que pode se tornar muito complexa. Neste texto, serão apresentados as principais diferenças e da maneira mais prática possível, mas o leitor deve ter em mente que sempre haverá exceções e “regiões nebulosas”. A intenção aqui não é esgotar o assunto, mas apenas introduzir o leitor ao tema.

Violão Popular:

Em geral, na música popular o violão faz o acompanhamento harmônico, ou seja, os acordes que acompanham a melodia principal da música e que é, em geral, tocada por outro instrumento (como a voz ou uma flauta).

João Gilberto tocando o típico violão popular de acompanhamento com acordes.

Apesar de o principal papel do violão na música popular ser o de acompanhar outros instrumentos ou cantores, nosso querido instrumento de 6 cordas também pode fazer o papel de melodia principal e ser acompanhado por outros instrumentos (um piano ou até mesmo outro violão).

Raphael Rabello, ao violão, sendo acompanhado pelo piano. A partir dos 0:57 os papeis se invertem, e o violão passa a acompanhar o piano. Em 1:35 novamente o violão passa a ser acompanhado pelo piano.  Em 2:11, ambos fazem a melodia principal juntos até o final.

Também é isso o que acontece quando o violão executa um solo de jazz, por exemplo.

 

Você consegue diferenciar qual dos dois violonistas está fazendo a melodia/solo e qual está tocando o acompanhamento com acordes? Eles também alternam os papeis, preste atenção!

Na música popular, o violão pode ser tocado com palheta ou com os dedos; essa decisão depende exclusivamente do gosto e do objetivo do instrumentista.

Violão Clássico/Erudito:
Já na música clássica, o mais comum é o violão não ter a companhia de nenhum outro instrumento. Para isso damos o nome de “violão solo”.
Por estar sozinho ao executar a música, o violonista precisa fazer a melodia + acompanhamento ao mesmo tempo. Essa é uma das principais características das músicas clássica/eruditas escritas para violão. Como o violão precisa tocar duas coisas simultaneamente (melodia e acompanhamento), quase sempre o violonista precisa executar mais de uma corda ao mesmo tempo, com uma precisão e complexidade maior que na música popular. Por isso, é muito complicado executar este tipo de música usando palheta, e o mais comum é que os violonistas clássicos/eruditos usem apenas os dedos para tocar.

 

Repare como um único violão parece estar tocando diversas coisas ao mesmo tempo. Experimente fazer isso com uma palheta e você enlouquece!

Obviamente, nem sempre o violão está sozinho ao tocar músicas clássicas e existem casos em que ele faz apenas acompanhamentos. Mas, por uma questão de tradição, mesmo nesses momentos é incomum utilizar palheta.

 

Repare como violão toca apenas acordes a maior parte do tempo. Não é impossível tocar esta peça com palheta, mas, por uma questão de timbre e tradição, é incomum encontrar alguém que faça isso.

Como dito anteriormente, existem momentos em que é difícil determinar a diferença. A música, por ser uma forma de expressão artística, é algo difícil de colocar dentro de modelos e regras. Como exemplo dessas exceções, é possível citar:

– obras clássicas para violão em que se usa obrigatoriamente palheta (ex.: Concerto n°2 para violão e orquestra, de Alexandre de Faria) – infelizmente, não há vídeos para esta música.

– músicas populares em que o violonista executa a melodia + acompanhamento ao mesmo tempo, como no violão clássico (ex.: choros de Dilermando Reis)

 

– instrumentos típicos da música popular, como a gaita/harmônica, sendo usados em obras clássicas/eruditas (“existe diferença entre gaita popular e gaita erudita?” Essa não!)

 

CUIDADO! É muito comum ouvir por aí que o violão clássico se toca sobre a perna esquerda e o violão popular sobre a perna direita. Isso é um ERRO! Não há regra sobre qual perna se deve tocar; isso depende exclusivamente de como o músico se sente mais confortável.

Como foi explicado no início do texto, o que determina a diferença entre violão popular e clássico é a MÚSICA que será tocada. Logo, se alguém for tocar rock’n’roll e colocar o violão sobre a perna esquerda, ainda estará tocando violão popular, pois a música continua sendo popular, independente da perna em que se apoia o instrumento.


Comments

Qual a diferença entre violão clássico/erudito e popular? — 1 Comment

  1. Pingback: A postura no violão clássico/erudito | André Priedols

Leave a Reply

Your email address will not be published.