Estudar música pela internet

Vamos direto ao assunto: É complicado estudar apenas PELA internet.
O que o iniciante deve considerar, e eu recomendo fortemente, é estudar COM a internet.

Parece a mesma coisa, mas não é!

Vejamos alguns dos pontos negativos de estudar apenas pela Internet:

1) dificuldade do iniciante em separar o material de qualidade do que é lixo. 
Nessa hora, a experiência de um professor é fundamental. É ele quem vai recomendar quais sites você deve confiar, ou até mesmo analisar o material e páginas que você encontrar pela internet, dizendo se vale a pena ou não investir tempo neles.
E, acredite, existe MUITA porcaria disponível pela internet. Se por um lado ela democratiza o poder de distribuição de conhecimento, e todos podem ser facilmente “ouvidos”, a verdade é que nem todos têm algo de bom a dizer.

2) uma demonstração vale mais que mil palavras.
O que você demoraria algumas horas para entender sobre ritmos ao ler um texto, pode-se apreender em alguns minutos ouvindo seu professor e assistindo suas demonstrações práticas.
Hoje em dia podemos contar com fácil acesso a vídeos, mas se alguma dúvida específica continuar sem ser resolvida pelo vídeo, resta a você procurar outro ou contactar a pessoa que o publicou.
Numa aula tradicional, a interação professor/aluno é instantânea!

3) interação humana.
Uma aula de música (na verdade, qualquer aula) não se resume a ouvir e copiar o que o professor fala/faz. O professor atento percebe uma série de problemas no aluno, inclusive de ordem emocional.
Se este se sente desestimulado a estudar, muitas vezes uma conversa franca pode mudar o cenário. Se o aluno não consegue organizar seus horários para o estudo, o professor pode pensar uma rotina específica para ele, e assim por diante.
Além disso, por se tratar de duas pessoas com um gosto tão forte em comum (o interesse pela música), na maioria das vezes acaba surgindo uma grande amizade, algo que a Internet jamais vai substituir!

4) música é som. Som é ao vivo!
Por melhor que seja o microfone, placa e caixas de som, o som gravado (no caso o transmitido pelo computador) ainda não chegou perto da qualidade do som ao vivo.
Para instrumentos amplificados/elétricos desde a origem, como guitarra elétrica, esse problema é menos grave, pois o som que ouvimos normalmente já é de algo “não natural”. Por outro lado, para instrumentos acústicos como canto, violino ou violão clássico, onde a qualidade do som produzido é crucial e depende diretamente do músico, uma aula on line torna-se parcialemente inútil.
Hoje em dia é comum vermos ofertas de aulas on line. É uma revolução no acesso aos bons professores, ainda mais num país com as desigualdades entre regiões como o Brasil, onde a maior parte dos professores está nas capitais.
Entre não fazer aula (por qualquer motivo), ou fazer aula on line, fique com a segunda opção! Se você souber outras línguas, suas possibilidades se multiplicam, podendo fazer aulas com professores do mundo todo sem sair de casa. Mas não se esqueça que o som que o professor irá ouvir não é nem próximo do som que você está produzindo do outro lado do computador.
O maior professor de violão que o Brasil já teve, Henrique Pinto, costumava contar que na década de 80 era comum alunos saírem de ônibus do Nordeste e irem até São Paulo para fazer aulas. Aulas on line amenizam a questão do deslocamento, mas é importante tentar agendar aulas presenciais pelo menos uma vez ao mês.

NEM TUDO É PROBLEMA!

Parece contraditório criar um blog que pretende postar dicas e materiais de estudo para músicos e iniciar com uma postagem dessas.
A minha intenção agora é apenas alertar os iniciantes da importância de se ter um professor “ao vivo”! A facilidade de encontrar material na Internet não pode ser confundida com o fim de uma aula de música nos moldes tradicionais.
Eu cometi esse erro durante alguns meses da minha vida, e a primeira aula após esse período de auto-didatismo foi um balde de água fria. Ali ficou clara a importância de se ter um professor presencial.

Por outro lado, quando eu aprendi a separar o que é útil ou não na internet, meu estudo se tornou mais dinâmico e estimulante. Nos períodos entre uma aula e outra, eu costumava passar horas lendo textos, entrevistas com músicos, vendo vídeos, trocando ideias, formando minha opinião, etc.

ESSE é o verdadeiro potencial da internet no estudo de música: complementar o trabalho realizado junto a um professor.

Por fim, uma dica de site/fórum que ajudou imensamente a complementar minha formação de músico/violonista:
www.violao.org
É o ponto de encontro virtual do violão brasileiro. O pessoal responde qualquer tipo de dúvida com atenção e educação e, por ser frequentado por gente experiente, o assunto é sempre tratado de maneira profunda.
Vale a pena conhecer, independente do seu instrumento!

Qualquer dúvida, crítica, pedido ou sugestão, entre em contato!


Leave a Reply

Your email address will not be published.