Aulas de violão via Skype

(Clique AQUI para informações específicas sobre as aulas)

Atualização: O Nícolas, meu aluno citado no texto, acabou aprovado na UNESP e está cursando violão clássico lá. Parabéns para ele, mais do que merecido!

O primeiro post que escrevi no blog Discordas, em 2010, foi sobre estudar música pela internet. A ferramenta ia ganhando um espaço cada vez maior como fonte de informações para estudantes de música, tendo relevância inclusive na minha formação, e eu queria de alguma forma participar daquele movimento; contribuir e retribuir o que eu havia absorvido. Uma das coisas que mais me motivaram a iniciar o blog era a quantidade absurda de informações equivocadas e de baixa qualidade sobre violão. Era preciso povoar a internet brasileira com informações de melhor qualidade sobre o assunto (obviamente, havia também muita informação boa – eu só queria fazer a minha parte).

O ensino de violão

Esse instrumento é, às vezes, vítima de seu próprio sucesso. O porquê de o violão ser o instrumento mais popular do mundo merece uma postagem especial, mas o importante é que essa popularidade acaba passando a sensação de que todo mundo toca um pouco de violão. E ISSO É BOM! Incomoda-me muito a aura romântica e de respeito demasiado que cerca certos instrumentos como o violino ou o piano: instrumentos foram feitos para serem tocados, não respeitados como entidades especiais. Mas dessa proximidade da população em geral com o violão nasce a ideia seguinte, esta, sim, muito prejudicial: muita gente acha que sabe ENSINAR violão.

Enquanto o ato de tocar um instrumento musical só pode gerar danos significativos ao próprio indivíduo que o toca (por má postura, por exemplo), causando em terceiros no máximo alguns momentos de desprazer artístico, o ato de ENSINAR um instrumento envolve muita responsabilidade. E essa responsabilidade se expressa tanto em relação à saúde física do estudante, que pode, sim!, sofrer lesões sérias por conta de má postura ou técnicas equivocadas, quanto em relação à saúde psicológica dos alunos, pois iniciar o estudo de um instrumento envolve, entre outras questões: expectativas (do aluno e dos que o cercam, como familiares), sonhos, paixões artísticas, autoestima e pretensões profissionais. Portanto, apesar de ser um defensor intransigente da ideia de que todos são capazes de se divertir com qualquer instrumento musical, sou, também, grande defensor da ideia de que ensinar um instrumento musical não é para qualquer pessoa. (leia AQUI texto sobre Como escolher um professor de violão, em que abordo esse tema)

A internet e o ensino

Voltando ao foco deste artigo, aulas de música online, naquele primeiro texto do blog Discordas citei as aulas por Skype como uma das alternativas válidas para estudar pela internet, uma das ferramentas mais poderosas que a espécie humana já criou. O curioso é que por muito tempo eu mesmo, professor de música desde 2001, nunca tinha experimentado dar aulas regulares pela internet. Recebi algumas ofertas para dar aulas a alunos de regiões distantes, mas eu tinha pouco tempo disponível para isso, pois tinha a consciência de que seria necessário um período de “aprendizado” antes de oferecer esse serviço com a mesma segurança com que ofereço aulas presenciais. Em 2015, porém, isso mudou.

No meio do ano recebi uma mensagem de um jovem violonista de Maceió, Nícolas Silva, que precisava de aulas de teoria para prestar as provas de vestibular em música de duas das universidades mais concorridas do país. Ele tinha pouco tempo até os exames e não conhecia professores em sua cidade que pudessem prepará-lo. Bom, o Nicolas chegou até mim com uma recomendação para lá de inquestionável, e como era um caso meio urgente resolvi aceitar. Fiz a ressalva a ele de que eu nunca havia dado aulas regulares por Skype e que ele seria uma espécie de cobaia. As aulas, felizmente, acabaram se desenvolvendo muito bem e, tirando problemas pontuais com a conexão de internet de ambos, o Skype se mostrou uma excelente ferramente para isso. No fim, o Nicolas acabou passando tanto na prova de habilidades musicais da USP quanto da Unesp, e agora aguarda os resultados. Obviamente, o sucesso dele nas provas se deve muito mais às suas qualidades prévias como músico, que já eram altíssimas, do que às nossas aulas – usamos o pouco tempo que tivemos mais para organizar o que ele já sabia do que para mudar radicalmente seus conhecimentos teóricos.

Encarando as aulas de violão online

Encorajado pela boa experiência, decidi que em 2016 iria oferecer de maneira mais ampla as aulas online. Devo dizer que não considero que elas substituem 100% as características das aulas presenciais, mas são muito funcionais e possuem também vantagens úncias, como a economia de tempo no deslocamento e a redução no número de aulas perdidas. O Nicolas aproveitou o período em que veio para São Paulo fazer as provas de vestibular, e realizou algumas aulas presenciais aqui. Foi bacana essa vivência “ao vivo”, pois evidenciou a diferença entre as duas “plataformas”: se nas aulas de teoria a diferença foi praticamente nula, nas aulas presenciais eu pude ouvir o Nicolas tocar violão com muito mais clareza e nitidez. Esse diferencial sonoro ainda não foi superado pela tecnologia de áudio, e provavelmente nunca será. Para o estudo de violão clássico, que coloca a qualidade e refinamento sonoros como prioridades, certamente aulas online ficam devendo nesse quesito – no violão popular de acompanhamento não há o mesmo prejuízo. Para “equilibrar” a balança, o Nicolas ficou hospedado em Cubatão (onde não possuía acesso fácil a um computador com boa conexão) nesse período de estadia no Sudeste, e para cada aula era necessário “subir” para a capital e ainda se deslocar até minha casa. Era praticamente um dia inteiro que se investia para realizar algumas horas de aula. Nesse sentido, aulas online demonstram o poder que possuem de economizar tempo – o nosso ativo mais valioso.

Com esse meu relato, tento ser transparente com relação às vantagens e desvantagens das aulas online. Cabe a cada aluno pesar o que considera mais valioso no momento. Se você tem pouco tempo para aproveitar sua família, certamente aulas online irão facilitar sua vida na hora de aprender um instrumento, pois você economizará tempo. Se você mora numa região central de uma grande cidade, talvez existam vários professores a pouca distância de sua casa, o que reduz o ganho marginal em tempo de deslocamento – aí valerá mais a pena usufruir da interação ao vivo com seu professor. A vantagem é que agora existe a possibilidade de quem mora em locais afastados fazer aulas com professores de qualquer lugar do mundo conectado! Antigamente, muitos aprendiam através de VHS ou DVD, mas hoje é possível aprender à distância sem perder a importantíssima interação em tempo real com o professor.

Para terminar este longo relato, pedi ao Nicolas Silva que escrevesse as próprias impressões sobre a experiência de ser um aluno por Skype (na verdade, nossas aulas envolveram também exercícios surpresa via WhatsApp!). A seguir você poderá ler na íntegra como é ser um aluno de música online. Não deixe de conhecer o trabalho do Nicolas, que certamente construirá uma belíssima carreira no universo do violão!

Como é ter aulas de violão via Skype? (relato de Nicolas Silva)

“Bom, primeiramente vou falar um pouco sobre o que me motivou a fazer as aulas por Skype. No fim de 2014, quando concluí o ensino médio, estava vivendo um período de indecisão, como grande parte dos jovens que têm de escolher sua carreira e, possivelmente, fazer disso sua profissão por toda a vida. Apesar de ter contato com música desde que nasci, literalmente, e manter algumas horas de estudos de violão desde os oito anos, entrar numa faculdade de música não passava pela minha cabeça devido, principalmente, à qualidade de ensino oferecida pela instituição da minha cidade, Maceió.

A melhor e mais óbvia opção seria me mudar pra um lugar que fosse o eixo da música clássica no país, foi então que pensei em São Paulo e decidi que iria me preparar para os vestibulares de música durante o ano que teria “livre”. Como a mudança repentina poderia causar algum problema, a opção mais prática e viável foi trabalhar com um professor que passou por essas decisões há pouco tempo (nem tão pouco) e conhece o caminho a se fazer para obter êxito. Por algumas indicações de gente do ramo cheguei ao nome do André Priedols e começamos as aulas online entre maio e junho de 2015, focadas em teoria musical, mas também voltadas às outras esferas da música.

Pra quem mora longe do centro musical e quer ter um contato tanto formal quanto informal com o meio, mas não pode passar uma temporada viajando, ou até mesmo quem não tem tempo de se deslocar até o professor e vice-versa, o Skype é, sem sombra de dúvidas, a opção mais recomendável, ele é a ferramenta principal para quem quer estudar com bons professores e não tem como se deslocar até onde eles moram. Com todo esse recurso não dá mais pra dizer que não tem como buscar o conhecimento por morar longe ou não ter tempo. Com um bom equipamento de captação de áudio e vídeo e, claro, uma boa conexão de internet, encontra-se uma ótima maneira para aprender e ensinar. Calculados os gastos vê-se a economia de tempo e dinheiro com os valores de transporte, combustível etc; e talvez, pra mim, o mais importante que se ganha é uma mente mais livre pra se concentrar sem a correria habitual, já que não é preciso sair de casa.

Os conteúdos abordados podem ser enviados e conferidos facilmente, se há alguma curiosidade, o YouTube está a alguns cliques. As aulas eram semanais, víamos, basicamente, o conteúdo cobrado nas universidades, com mais enfoque em solfejo, harmonia, história da música e percepção. No caso de harmonia e história da música, especificamente, pra mim, as aulas eram bem mais úteis do que se fossem presenciais. Em poucos segundos tinha à disposição materiais explicativos que colaboravam com a aula do professor, facilitando o entendimento e adiantando nos próximos temas. Às vezes cobríamos uma ou outra peça de violão, o que era de grande valia. A falta de material também não é empecilho algum, pois há uma vasta quantidade de arquivos disponíveis na rede.

No caso das aulas com instrumento, perde-se um pouco da percepção natural do som já que, inevitavelmente, a qualidade do timbre que chega não é a mesma de quando a aula é presencial. Nesse aspecto acredito que o Skype não substitui a qualidade da aula presencial, mesmo assim, continua sendo uma ótima alternativa de aprendizado e ensino, e a mais viável pra quem tem suas limitações. Particularmente, posso garantir que tive muitos benefícios através dessas aulas, em nenhum momento me senti lesado ou que o Skype estava limitando tanto ensinar quanto aprender, principalmente porque fomos achando boas alternativas pra que essa ideia, ainda um pouco nova pra mim à época, funcionasse bem.”

Nícolas Concerto-33

Nicolas Silva

Conheça AQUI o canal dele no Youtube, com excelentes vídeos.


Comments

Aulas de violão via Skype — 1 Comment

  1. Pingback: O blog mudou de endereço! – Discordas

Leave a Reply

Your email address will not be published.